No contexto da sua missão, a CTP estabelece como sua estratégia contribuir para a afirmação do sector do turismo no contexto da economia portuguesa, potenciando a sua capacidade de crescimento e o contributo do mercado externo.

A Estratégia de Acção do Melhor Turismo 2020 contempla no enunciado dos seus objectivos estratégicos os seguintes:

- Reforço da Competitividade e Internacionalização das Empresas do Turismo

- Capacitação, Formação e I&D+I em Turismo

O Plano Estratégico do Programa de Formação-Acção “Melhor Turismo 2020” apresentado pela CTP para o biénio 2015 – 2017 e aprovado pelo POCI, compreende princípios organizativos, etapas, público-alvo e modelo de intervenção.

O modelo organizativo do Programa de Formação-Acção da CTP prevê a implementação de três Eixos de intervenção. Cada um desses eixos assume propriedades organizativas diferenciadas e estabelece uma articulação específica com o quadro de objectivos contemplados pelo Programa e os temas que se lhe associam. Assim, o Programa compreende os seguintes domínios de aposta:

- Abordagem orientada para a qualificação das PME e dos seus trabalhadores em domínios de desenvolvimento de competências priorizados pelo exercício prévio de diagnóstico realizado em cada empresa e que, nessa medida, se acolham no plano de acção que orienta o Programa de Formação-Acção específico da empresa. Esta abordagem é denominada de Ciclo de Planeamento.

- Abordagem orientada para a capacitação dos gestores e das equipas de gestão das PME do sector. Neste âmbito, os projectos a apoiar centram-se no desenvolvimento de competências de gestão e, nessa medida, podem ter níveis de aprofundamento diferenciados em função da componente de diagnóstico. Estando presente, a componente de diagnóstico não assume um foco tão abrangente como no ciclo de planeamento. Esta abordagem é denominada de Ciclo de Gestão e desdobra-se em três vertentes mais específicas de acção:

- Reforçar a capacidade competitiva das empresas do sector através da capacitação nos diferentes domínios da gestão (Linha de Acção Competir Melhor);

- Apoiar estratégias de internacionalização de empresa, investindo na promoção de capacidades de gestão para a internacionalização (Linha de Acção Internacionalizar);

- Apoiar o empreendedorismo no sector através do reforço das capacidades de gestão no contexto de projectos de criação de novas empresas (Linha de Acção Empreender);

- Abordagem orientada para a qualificação das PME e dos seus trabalhadores em domínios de desenvolvimento de competências previamente identificados e que se alinham com as prioridades de desenvolvimento do sector. Neste caso, a vertente de diagnóstico tem um peso mais reduzido no âmbito dos projectos e estes são organizados por referência a instrumentos externos de planeamento. Nomeadamente, prevê-se o recurso mais directo aos referenciais de qualificação baseados em competência promovidos pela CTP para suportar a organização da formação. Neste ciclo, a dimensão de planeamento decorre, sobretudo, do investimento realizado ao nível dos instrumentos de âmbito sectorial e menos do planeamento incluído no próprio projecto. Este vocaciona-se, sobretudo, para assegurar a adequação das apostas formativas priorizadas ao contexto de cada empresa. Esta abordagem é denominada de Ciclo Temático.


Os eixos que estruturam o Programa de Formação-Acção para o sector do turismo diferenciam-se não só do ponto de vista do foco estratégico que propõem, mas, também, das soluções metodológicas que convocam.

O Eixo I, Ciclo de Planeamento

 

CICLO PLANEAMENTO
 

Objectivo Geral

 


Melhorar o desempenho e organizacional e a capacidade competitiva das PME do sector do turismo através do desenvolvimento de competências em domínios de problema especificamente identificados.

Linhas Orientadoras


A intervenção dirige-se a empresas que pretendem resolver problemas de gestão, organização e funcionamento previamente identificados e caracterizados através da realização de um diagnóstico. A abordagem proposta centra-se na promoção da eficiência organizativa global através do reforço das qualificações dos trabalhadores da empresa.

Domínios de Intervenção


Constituem domínios temáticos a privilegiar os seguintes:

  • Gestão Estratégica
  • Gestão Administrativa e Financeira
  • Gestão de Equipas de Trabalho
  • Gestão Administrativa e Financeira
  • Marketing e publicidade
  • Estratégias de internacionalização
  • Qualidade de serviço na hotelaria, restauração e turismo
  • Protecção Ambiental

Público-Alvo


Empresas com actividade nas CAE identificadas. Consideram-se como principais condições de participação terem menos de 50 trabalhadores. Podem ser apoiados projectos formativos de empresas com mais de 50 trabalhadores em função da relevância do projecto e no caso de não terem um volume de negócios superior a 2 milhões de euros.

 

O Eixo II, Ciclo de Gestão, contempla uma abordagem mais focada no que se refere à temática da intervenção e, sem excluir a realização de um momento de diagnóstico para adequação do projecto à empresa, pressupõe alguma formatação prévia do referencial estratégico de actuação.

Complementarmente, este Eixo desdobra-se em três linhas de acção específicas com enunciados estratégicos e referenciais de intervenção ao nível do desenvolvimento de competências próprias.

 

O Ciclo de Gestão só será contemplado na abertura de candidaturas do próximo biénio.

 

O Eixo III, Ciclo Temático

 

CICLO TEMÁTICO
 

Objectivo Geral

 

Qualificar as empresas do turismo dotando-as de competências em áreas críticas/relevantes para o desenvolvimento, modernização e reforço de competitividade do sector.

Linhas Orientadoras


A intervenção contempla o desenvolvimento das competências dos trabalhadores das empresas do sector através da realização de formação que permite reforçar a sua capacidade de resposta em domínios de qualificação considerados críticos para o sector. Esta intervenção apoia-se nos exercícios de diagnóstico de âmbito sectorial previamente realizados, articulando-os com as necessidades explicitadas pelas empresas.

Domínios de Intervenção


Constituem domínios temáticos a privilegiar os seguintes:

  • Acolhimento e atendimento ao cliente, incluindo a gestão de reclamações
  • Controlo de gestão
  • Marketing e gestão de canais online
  • Negociação e vendas
  • Segurança e gestão de riscos
  • Gestão de aprovisionamentos e relação com fornecedores
  • Comunicação em língua estrangeira
  • Técnicas específicas de prestação de serviço (ex.: serviço de restaurante, serviço de bar, cozinha internacional, produção de doçaria tradicional, orientação de actividades de ar livre, actividades de animação turísticas, serviço de vinhos …)

Público-Alvo


Empresas com actividade nas CAE identificadas. Consideram-se como principais condições de participação terem menos de 50 trabalhadores. Podem ser apoiados projectos formativos de empresas com mais de 50 trabalhadores em função da relevância do projecto e no caso de não terem um volume de negócios superior a 2 milhões de euros.




Pretende-se que, em cada um dos Ciclos, as entidades promotoras de projectos no âmbito do Programa, seleccione um mais Domínios de Intervenção onde pelo perfil das suas competências tem melhores condições para realizar a formação-acção.

O Projecto abrange as NUT II Norte, Centro e Alentejo.