O modelo de intervenção previsto privilegia, globalmente, a inovação face aos modelos tradicionais de formação no domínio da qualificação e requalificação de activos. Assim, o modelo de formação-acção proposto é orientado pela resolução de problemas concretos das empresas, ou seja, constrói-se em função da resposta a necessidades de evolução das empresas por contraponto à tradicional lógica de organização da formação a partir da mobilização de conteúdos formativos mais ou menos catalogados.

No âmbito do Programa “Melhor Turismo 2020”, procura-se consolidar o modelo de intervenção dando total centralidade à vertente de desenvolvimento de competências e valorizando a sua contextualização no ambiente de trabalho e na resposta aos problemas identificados. O reforço da integração entre as diferentes dimensões e etapas do processo constitui outro relevante atributo do modelo proposto.

O modelo de formação do Programa “Melhor Turismo 2020” assenta, assim, nas seguintes orientações fundamentais do ponto de vista da estratégia pedagógica:

- O princípio da estreita articulação entre as vertentes de diagnóstico, de planeamento, de formação e de avaliação;

- A centralidade da formação em contexto de trabalho;

- Uma distinção clara entre a formação e a consultoria;

- A integração entre as dimensões de formação e conselho no contexto de trabalho;

- A abordagem pelas competências no plano pedagógico, do diagnóstico e da avaliação, valorizando a óptica da resolução de problemas.

A conformidade da estratégia de acção a estas orientações deve estar presente na forma de organização dos projectos em termos de etapas e duração previstos dentro de cada Eixo de intervenção. Antecedendo a apresentação do modelo a adoptar em cada tipologia de programas, importa procurar clarificar o entendimento atribuído aos principais conceitos considerados na sua organização.


Todas as tipologias previstas se estruturam a partir das mesmas quatro etapas, embora assumindo diferenças no modo de desenvolvimento.

A etapa de diagnóstico procura situar os problemas que se colocam à estratégia de desenvolvimento da empresa consoante os seus objectivos estratégicos. No caso do Eixo 1 - Planeamento e do Eixo 2 - da linha de Acção Competir Melhor, o diagnóstico é cumprido de forma mais exaustiva e profunda na medida em que não existe um ponto de partida definido relativamente aos objectivos estratégicos da empresa. No caso do Eixo 2 - das linhas de Acção Empreender e Internacionalizar do Eixo 3, o diagnóstico é menos desenvolvido, servindo o objectivo de apoiar a identificação de necessidades de competências core e a formatação de projectos que resultam de uma opção estratégica, ainda que genérica, previamente definida.

A etapa do Plano de Acção estabelece o referencial estratégico do projecto formativo, definindo os problemas a resolver e os objectivos a atingir em termos de desenvolvimento de competências e de evolução organizativa e de performance da empresa. O Plano de Acção é, também, mais desenvolvido e detalhado no caso do Eixo 1 e do Eixo 2 da linha de Acção Competir Melhor uma vez que aqui se pressupõem a procura de uma resposta mais integrada aos problemas da empresa. No caso do Eixo 2 - das linhas de Acção Empreender e Internacionalizar do Eixo 3, o Plano de Acção foca-se na identificação do conjunto de competências e objectivos delimitados a partir do exercício de adequação da intervenção aos objectivos previamente estabelecidos.

A etapa da formação constitui o passo central do processo. No caso do Eixo 1 e Eixo 2 - da linha de Acção Competir Melhor, a formação pode organizar-se de forma mais aberta, ou seja, considerando como instrumento de apoio referenciais de competências já existentes, mas acolhendo, também, o desenvolvimento de mapas de competências especificamente considerados para dar resposta aos problemas identificados. No caso Eixo 2 - das linhas de Acção Empreender e Internacionalizar do Eixo 3, o planeamento da formação apoia-se, essencialmente, em referenciais de competências já estabelecidos, sendo excepcional o recurso ao desenvolvimento de referenciais próprios de cada projecto. Em todos os casos articula-se a formação em contexto de trabalho (incluída na componente de consultoria) com a formação em sala e outras formas alternativas de desenvolvimento de competências como Workshops, Seminários, entre outras.

A etapa de avaliação é transversal a todo o programa e dá resposta à necessidade de aferir o grau de realização dos projectos e o nível de resultados alcançados. Nessa medida, o exercício de avaliação assumido ao nível dos projectos foca-se na verificação do grau de cumprimento do plano de acção, nomeadamente no que se refere à realização das actividades previstas e ao desenvolvimento das competências identificadas.


No quadro seguinte sintetiza-se o modelo de intervenção previsto para cada tipo de programa.

TIPOLOGIA
DE PROGRAMAS

   
MODELO DE INTERVENÇÃO (Versão não definitiva)
 

Acções

 

Duração

 

Horas

Consultoria

 

Formação

  Observações

Ciclo
Planeamento

 

Máx. 24 meses

120 horas

  80 horas    

Ciclo
Gestão

Competir Melhor

Máx. 24 meses

200 horas

Cada componente deve corresponder a um mínimo de 40%
e a um máximo de 60% das horas totais de intervenção
 

Internacionalização

Máx. 24 meses

125 horas

Empreender

Máx. 24 meses

125 horas

Ciclo
Temático

 

Máx. 24 meses

50 horas

  75 horas    

 

O centro do programa “Melhor Turismo 2020” é o desenvolvimento de novas competências que os referenciais situam com clareza, identificando as realizações profissionais, os conhecimentos, as aptidões e as atitudes que lhes estão associadas. Nesta medida, o programa está dotado de um referencial estratégico claro do ponto de vista das aprendizagens a desenvolver.

Complementarmente, os referenciais elaborados situam também os critérios de desempenho a considerar pela aprendizagem e, consequentemente, o modo como devem ser avaliados em exercício. A identificação dos critérios de desempenho para as competências desenhadas em cada referencial constitui um ponto-chave para que se faça a relação das aprendizagens com os contextos de exercício profissional.

Nesta medida, o programa está dotado de condições únicas para que os objectivos dos projectos e a avaliação se façam por referência às aprendizagens promovidas.


CONSULTE EM PORMENOR CADA TIPOLOGIA DE PROGRAMA:

> Ciclo Planeamento

> Ciclo Gestão > Competir Melhor

> Ciclo Gestão > Internacionalização

> Ciclo Gestão > Empreender

> Ciclo Temático